Alvaro Camargo, M.Sc., PMP

Início » Estratégia de negócios

Arquivo da categoria: Estratégia de negócios

Análise PESTEL: uma ferramenta útil tanto para identificação de riscos e como para identificação de stakeholders em projetos

 

Pestel

Quando gerenciamos um projeto, é necessário fazer uma correta identificação e análise de riscos e de stakeholders. Em ambos os casos o objetivo é o mesmo: evitar surpresas desagradáveis. O grande problema quando se fala de riscos e stakeholders é a dificuldade que surge na hora de identificação dos riscos e dos stakeholders. Existem riscos e stakeholders cuja identificação é óbvia. Mas isso não é regra geral. E é aí que mora o perigo. Não há como se precaver contra algo que não sabemos que existe. O máximo que se pode fazer é ter reservas de gerenciamento para lidar com problemas potenciais que possam ser causados por riscos não identificados ou por demandas de stakeholders que não haviam sido identificados (O que na realidade é um tipo específico de risco). Existem muitas ferramentas que podem ser usadas para identificação de riscos. No presente artigo vou discorrer sobre uma ferramenta bem simples e que pode ser usada tanto no contexto de identificação de riscos como no contexto de identificação de stakeholders: a análise PESTEL, que tem seu nome baseado num acrônimo formado pelas primeiras letras de fatores chave quando se faz a análise de uma conjuntura. O quadro a seguir mostra o significado de cada um dos fatores que dão nome à essa ferramenta de análise de cenários e que é usada para identificação de riscos e stakeholders em projetos ou no planejamento estratégico das empresas e instituições do Estado, como por exemplo, nos governos das Prefeituras, Estados e no ente federativo nas esferas dos três poderes constituídos.

Fatores

Explicação e exemplos

Políticos

São os fatores relacionados com a política. A corrupção endêmica que existe no Brasil é um exemplo de fator político que cria dificuldades para as empresas e para a sociedade como um todo.

Econômicos

São os fatores relacionados com a conjuntura econômica de um país, como por exemplo, a taxa de juros vigente, nível da dívida externa de um país, nível de empresa e a taxa cambial.

Sociais

São os fatores sociais, como por exemplo, composição da pirâmide etária da população, nível educacional, cultura e crenças de um povo. O Brasil, por exemplo, está passando por um processo de envelhecimento da sociedade. Isso trará forte impacto num futuro relativamente próximo.

Tecnológicos

Fatores de inovação que influenciam o modo como a economia funciona e que podem mudar de forma radical o ambiente no qual as empresas operam. O Uber é um exemplo de inovação que causou uma forte mudança para empresas de taxi, cooperativas de taxistas e taxistas individuais.

Ecológicos

Fatores ecológicos estão, por óbvio, relacionados com o meio ambiente. A China, por exemplo, tem um sério problema de poluição que afeta a sociedade e as empresas. Como resultado, o governo chinês está incentivando o desenvolvimento de uma indústria mais verde.

Legais

Fatores legais são aqueles que tem a ver com a legislação vigente. Um exemplo bastante atual é a crescente extraterritorialidade das leis contra corrupção nos países desenvolvidos. Crimes cometidos em um país podem levar uma pessoa a ser detida em outro país. Um exemplo brasileiro é o conhecido ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol José Maria Marin.

É fácil perceber que a análise dos fatores PESTEL ajuda na identificação de riscos aos quais as organizações e seus projetos estão sujeitos. Mas é importante observar que a análise PESTEL também ajuda na identificação de stakeholders. Um possível exemplo de identificação de stakeholders em projetos com base na análise PESTEL é a percepção que hoje já temos de que, num futuro bem próximo, teremos um aumento muito grande de um grupo importante de stakeholders no Brasil: a população de idosos. No plano legal, por exemplo, quando se desenvolve um projeto em empresas multinacionais, o poder judiciário de outros países pode ser um stakeholder importante a ser considerado quando da decisão sobre riscos jurídicos.

No presente momento as ferramentas visuais, também chamadas de Canvas, ou ainda, de ferramentas de design thinking, estão na moda. A análise PESTEL é um exemplo típico de ferramenta facilmente adaptável para uso em um Canvas, que é denominação genérica para uma técnica de pensamento em grupo que faz uso de uma superfície vertical, como por exemplo, um quadro branco e uso de papeletas para colocar itens dispostos em áreas delimitadas dessa superfície vertical). A seguir está colocado um possível exemplo de um canvas para análise PESTEL.

Pestel2

 Alvaro 01

Alvaro Camargo é consultor, palestrante e autor. Possui 37 anos de experiência na área de gerenciamento de projetos e de estratégia de negócios, com atuações em projetos e cursos nos Estados Unidos, Japão, Angola, Argentina e Colômbia. É Mestre em administração de empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, com foco de pesquisa em capacidades dinâmicas e MBA em Administração de Projetos pela Fundação Instituto de Administração da USP. É graduado em Ciências da Computação pela Universidade Paulista e é certificado como PMP – Project Management Professional pelo Project Management Institute. Atuou em projetos de grande porte nas áreas de energia, indústria, petroquímica e outras. É palestrante, autor de livros e artigos científicos. É docente dos cursos de MBA na Fundação Getúlio Vargas no Brasil e no exterior. É professor convidado em cursos de pós-graduação na UNICAMP, na Universidade Federal de São Carlos e na FECS – Faculdade de Educação em Ciências da Saúde do Hospital Oswaldo Cruz. E-mail: camargo.alvaro@gmail.com

Como o novo segmento liberal da classe média baixa brasileira afeta o trabalho de Marketing e RH nas empresas?

Empreendedorismo.png

O Brasil está mudando rapidamente. E, é claro, que a situação política brasileira, incendiada pela Operação Lava Jato, e o avanço da influência das igrejas evangélicas, que abraçam a causa da prosperidade pessoal através de uma postura de trabalho e empreendedorismo, estão contribuindo (e muito) para isso. As pessoas começam a perceber que depender de um Estado corrupto e ineficiente nunca vai levar ninguém à ser próspero, a menos, é claro, que você seja um político corrupto.

A importância do assunto não é desprezível. Tanto é assim que a revista Época, em sua edição de 10 de abril de 2017, dedicou exatas doze páginas sobre o assunto. O mesmo assunto surgiu recentemente também em diversos outros órgãos de imprensa, como por exemplo o jornal O Globo (em 05 de abril de 2017, e o jornal O Estado de São Paulo (em 03 de abril de 2017).  Segundo a reportagem da revista Época, e também conforme a pesquisa da Fundação Perseu Abramo, entidade ligada ao Partido dos Trabalhadores e que foi citada na reportagem, existe uma nova classe social emergente que não enxerga o mundo sob a ótica da luta de classes.

Essas fontes afirmam que está emergindo no Brasil um novo segmento social, cujos valores são baseados na cultura da iniciativa, do mérito individual e do empreendedorismo. Segundo a revista Época, são os chamados “novos liberais”. São pessoas, usualmente de classe média baixa que estão prosperando por conta própria, sem a ajuda (ou apesar) do Estado. Mas o que é que isso tem a ver com as empresas?

A resposta é simples. As empresas devem refletir isso em sua estratégia de marketing. Esse segmento social quer um “empoderamento” obtido através de sua própria iniciativa e mérito. As marcas precisam refletir isso ou poderão perder clientes para os concorrentes que perceberem isso antes.

Por outro lado, o RH precisa estar atento para atrair e manter pessoas desse novo segmento social nas empresas. Sem esse tipo de pessoas trabalhando na empresa, será difícil entender como esse novo segmento social pensa. Aqueles que pertencem a esse segmento social não se sentirão atraídos por ofertas de trabalho burocráticas, no qual não haja a percepção de meritocracia e nem a possibilidade de crescimento profissional. Esse novo brasileiro não quer apenas medidas compensatórias dadas pelo Estado para as classes menos favorecidas. Esse novo brasileiro quer oportunidades e instrumentos para crescer, conforme colocado pelo Prof. Mangabeira Unger, na entrevista da revista Época em 10 de abril de 2017. Trata-se de um segmento que quer vencer com seus próprios méritos. É exatamente esse tipo de, digamos assim, “fermento social” que fez com que alguns países de primeiro mundo prosperassem, como por exemplo, os Estados Unidos, cuja origem religiosa é protestante, que valoriza o trabalho e a meritocracia. O desafio está lançado para as empresas. Quem aproveitar essa percepção antes da concorrência vai se dar bem. Desnecessário comentar o que vai ocorrer com as empresas que insistirem em não enxergar essa nova realidade. Quem viver, verá.

Artigo Revista de Administração Contemporânea – Capacidades Dinâmicas

Artigo Revista de Administração Contemporânea – Capacidades Dinâmicas

Senoidal

É com grande prazer que informo que o artigo científico “Capacidades Dinâmicas: O Que São e Como Identificá-las?” escrito por mim e pela Prof. Dra. Dimária Meirelles foi publicado na RAC – Revistas de Adminstração Contemporânea na edição de de dezembro de 2014, uma das mais prestigiadas revistas cientificas de administração brasileiras. A revista RAC é uma publicação da ANPAD (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração).

O artigo trata de uma das teorias chave para o futuro das empresas num mundo globalizado e cuja única certeza é a de que o passo de inovações vai crescer cada vez mais. A solução para esse ambiente de hipercompetição é o desenvolvimento de capacidades de adaptação dinâmicas. As empresas que vão sobreviver no futuro terão que ser capazes não apenas de desenvolver novos produtos e serviços. As empresas terão que ser capazes de aprender novas práticas e novos modelos de negócio e abandonar as velhas práticas e os modelos negócio ultrapassados com uma frequênciada vez maior. As organizações que não tiverem a capacidade de adaptação dinâmicas estão condenadas à irrelevância. Vale a pena entender o que as empresas devem fazer para se manter relevantes no futuro.

Os dados do artigo estão colocados a seguir:

Capacidades Dinâmicas: O Que São e Como Identificá-las?

Dimária Silva e Meirelles e Álvaro Antônio Bueno Camargo, Art. #3, pp. 41-64, DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac20141289

O acesso ao artigo pode ser feito no link:

http://www.anpad.org.br/periodicos/arq_pdf/a_1539.pdf

As quatro maneiras de TI gerar valor para o negócio

As quatro maneiras de TI gerar valor para o negócio

Algumas pessoas pensam que a função de TI é apenas a de operar os sistemas de computadores de forma a permitir o registro seguro das informações necessárias para o desenvolvimento dos processos burocráticos da empresa. Embora essa visão seja parcialmente verdadeira, ela não é, nem de longe, completa. TI é uma função que vai muito além disso. Segundo Hunter & Westerman (2009), existe quatro formas de TI fornecer valor para as empresas melhorarem seu desempenho em negócios. A figura abaixo  mostra as formas de gerar valor através de TI. Que tal melhorar o desempenho da sua área de negócio montando projetos que levem em conta o modelo a seguir

Image

Para saber mais: Hunter e Westerman. The real business of IT. Harvard Business Press. Boston: 2009.

Projeto interessante: Amazon testa drones para entrega de encomendas

Projeto interessante: Amazon testa para entrega de encomendas

A BBC noticiou hoje, dia 0Image2 de dezembro de 2013, que a Amazon está testando drones para entrega de encomendas de até 2,3 kg em até meia hora a partir da aprovação do pedido. Os drones comentados pela BBC não são veículo aéreos militares. São pequenos helicópteros controlados a distância. Ainda não existe legislação que permita isso em nenhum país do mundo. Mas é certo que isso poderá ocorrer no futuro. E, quando ocorrer, a Amazon estará pronta para fazer entregas com esse tipo de recurso. Será uma vantagem competitiva enorme. Segundo a reportagem cerca de 86% das entregas da Amazon pesam no máximo 2,3 kg.

Para ter maiores detalhes consulte os links a seguir

http://www.bbc.co.uk/news/technology-25180906

http://www.amazon.com/b?ref_=tsm_1_tw_s_amzn_mx3eqp&node=8037720011

%d blogueiros gostam disto: